Xamanismo

Michael Harner, renomado antropólogo norte-americano, diz em sua obra “O Caminho do Xamã” que a palvra “shaman” deriva da língua falada pelos povos Tungus da Sibéria e significa “trabalhar com o calor e o fogo”, esquentar ou queimar, e os “shamans” são transformadores de energia e consideradas pessoas sábias “que conhecem o êxtase”.

(Keneth Meadows)

No Brasil a palavra “shaman” tem o mesmo significado para xamã e pajé, sendo palavras como: xamanismo, xamanista, pajelança ou xamânico, seus derivados. Xamanismo é o estudo das técnicas e práticas dos princípios usados pelos xamãs.

Desde os primórdios das civilizações (tempo das cavernas), em toda a Mãe Terra e todos os continentes há xamãs. São designados por vários povos como sábios, profetas, sacerdotes, bruxos, feiticeiros, curandeiros, mágicos, sonhadores, magos, visionários.

A essência de um xamã é a cura, e geralmente os xamãs já nascem feridos. Todo xamã é um curandeiro, mas nem todos os curandeiros são xamãs. O que os diferencia é a capacidade de adentrar nos mundos profundos em busca de almas perdidas ou parte delas, utiilzando técnicas arcaicas de cura.

O xamã é guiado pela sua ancestralidade, guias espirituais, seus tótens(animais de poder, proteção, sagrados e de cura) e aliados.

O xamã vive em harmonia com todas as coisas e considera a Terra um ser vivo, um organismo dentro de outro maior, o Universo. Reverencia Wakan Tanka, a criação, o Pai Céu, a Mãe Terra, o Avô Sol, a Avó Lua, os astros e constelações, os seres subterrâneos, o povo das duas pernas, o povo das quatro patas, os rastejantes, os aquáticos, os voadores, o “little people”(povo pequeno), o povo das pedras, o povo das nuvens, os elementos: água, terra, fogo e ar, e tudo faz parte da “Teia da Vida”, onde todos estão ligados por fios energéticos e divinos. Todos somos parentes, e fazemos uma grande família. O Caminho do Xamã é o caminho do amor e do coração. Hô!